segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Par Perfeito

Como eu imagino o par perfeito?
Eu não quero promessas que não possam ser cumpridas. Eu não desejo sacrifícios, nem mudanças de rota. Não preciso que você me encante com sonhos, nem que me diga que tudo vai ficar bem, se nem mesmo você sabe. Não precisa me jurar honra, nem lealdade, nem eternidade. Eu entenderia suas mentiras, eu entenderia seus erros, eu abraçaria seus diabos, eu o esconderia da Justiça. Não quero que você seja santo, nem que julgue meus atos. Eu só quero ser a pessoa certa para o seu jeito todo errado...



Adaptado de:
http://palavracronica.com/2013/09/16/setimo/

domingo, 14 de julho de 2013

Ajudar o próximo...



é errado se importar apenas com você mesmo?

Para quem foi criado na doutrina catolica, temos a premissa de nos preocupar com o próximo, com o irmão necessitado, com alguém que tenha menos que a gente.
Mas esse ter menos sempre foi o X da questão para mim.
Você pode ter menos dinheiro, mas ter mais carater.

Você pode não tem o que vestir, e ter dignidade,

Você pode andar descalço por ai, mas caminhar com a certeza da liberdade no caminho dos seus pés.

O dinheiro é só um pedaço de papel com desenho, um pedaço de metal com formas e desenhos que são certificados por outras pessoas tão iguais e mim e a você, feitas de carne e osso, com sentimentos, e desejos e decepções na alma tanto quanto eu e você.

Agora me diga, quem é o irmão que deveria se preocupar com o próximo nesse caso?

Só porque eu tenho dinheiro eu tenho mais que ele?

Só porque minhas roupas são melhores, minha comida é farta, meu sapatos são novos, sou eu quem tenho que me preocupar com ele?

E se ele puder me dar mais do que eu posso oferecer?

e se ele me ajudar a arrumar meu coração?

É mais uma questão de se oferecer o que tem, da melhor forma possível, mas tudo o que se tem, não só o material, afinal, não levamos nada dessa vida.


sábado, 23 de março de 2013

A escadaria chamada Vida...


"Um passo de cada vez..." Me disseram...

Vou subindo e vejo tanta gente parada pelo caminho,
sentadas nos degraus...
As vezes subo sem perceber, as vezes parece que não avancei um único degrau...
as vezes estou acompanhada, feliz, e motivada...
as vezes estou sozinha, no escuro, com o coração pesado e cansado

Será que o o que tem no topo vale tanto assim?
e como é que vamos saber?

Mas é necessário, é preciso, é doloroso. Assustador.

É a vida.